26/07/2016

06 de maio - Dia Nacional da Matemática

Comemorado em 6 de maio, o Dia Nacional da Matemática foi instituído pelo Congresso em 2004 e comemora o nascimento do professor, escritor e matemático brasileiro Julio César de Mello e Souza, mais conhecido pelo heterônimo de Malba Tahan.

Dia Nacional da Matemática é comemorado anualmente em todo o território nacional no dia 06 de maio, data de nascimento do matemático, escritor e educador brasileiro Júlio César de Mello Souza (Rio de Janeiro, 6 de maio de 1895 — Recife, 18 de junho de 1974), mais conhecido pelo heterônimo Malba Tahan.

Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBM) há tempos comemorava informalmente o Dia da Nacional da Matemática e foi a Deputada Professora Raquel Teixeira que apresentou um projeto de lei, em 05 de maio de 2004, para instituir o Dia Nacional da Matemática. Assim, correspondendo ao legítimo anseio da SBM, em criar a data comemorativa a nível nacional.

O principal objetivo era que o Poder Executivo, por meio dos Ministérios da Educação e da Cultura, incentivasse a promoção de atividades educativas e culturais em comemoração ao Dia Nacional da Matemática, que seria comemorado anualmente em todo o território nacional no dia 06 de maio, data de nascimento do matemático, educador e escritor Malba Tahan.




Apenas em 26 de junho de 2013 a Presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou a lei n° 12.835, que instituiu, oficialmente, o Dia Nacional da Matemática, que deve ser comemorado anualmente em todo o território nacional em 06 de maio.

Mas o que levou a escolha dessa data?

Para isso é preciso conhecermos a história de MALBA TAHAN ou melhor dizendo, Júlio César de Mello Souza.

Júlio César de Mello Souza nasceu em 06 de maio de 1895, no Rio de Janeiro. Mas, foi na cidade de Queluz, situado no Estado de São Paulo que viveu quase toda a sua infância. Filho de professores, desde criança já demostrava sua personalidade original e imaginativa.

Diz a lenda que quando criança, adorava criar sapos ( chegou a ter mais de 50 deles no quintal de sua casa) e já se envolvia na criação de histórias com personagens de nomes bem exóticos, tipo, Mardukbarian, Protocholóuski ou Orônonsio.

Aos 10 anos, retornou ao Rio de Janeiro para estudar. Cursou o Colégio Militar e o Colégio Pedro II. Logo depois, passou a frequentar o curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica e também o Salesianos.

Muito apaixonado pela matemática e pela escrita, Júlio César  era muito apaixonado pela matemática e pela escrita, e como gostava de contar histórias, começou a envolver a matemática em seus enredos. Em 1918, levou cinco de seus contos a um jornal carioca, no qual chegou a trabalhar. Como não houve qualquer interesse em suas produções, assinou os contos como R. S. Slade, um pseudônimo para um fictício autor americano. Apenas após essa nova autoria, ele pôde ver um de seus contos publicado no jornal.

Ao criar seu pseudônimo, Júlio César criou também um personagem: MALBA TAHAN. Este escritor, cujo nome completo seria Ali Yezid Izz-Eddin Ibn Salim Hank Malba Tahan, teria nascido na aldeia de Muzalit, próximo a Meca, a 6 de maio de 1885. Teria feito seus estudos no Cairo (Egito) e Istambul (Turquia).

Após a morte de seu pai, teria recebido vultosa herança e viajado pela China, Japão, Rússia e Índia, onde teria observado e aprendido os costumes e lendas desses povos. Teria estado, por um tempo, vivendo no Brasil. Teria morrido em batalha em 1921 na Arábia Central, lutando pela liberdade de uma minoria local. Seus livros teriam sido escritos originalmente em árabe e traduzidos para o português pelo também fictício Professor Breno Alencar Bianco.

Ao longo de seus 79 anos, MALBA TAHAN publicou 120 livros, sendo 51 voltados à Matemática. Nessas obras, o conteúdo matemático era envolvido por enigmas e fantasias,  o que se tornava uma aventura divertida e empolgante.

O Homem que Calculava” é o livro mais famoso, um verdadeiro best-seller que atravessou gerações e ainda conquista crianças e jovens. já foi traduzido e publicado em 12 idiomas diferentes, dentre eles destacam-se o inglês, espanhol, italiano, alemão e o francês.

O livro conta a história de Beremiz, jovem árabe que descobre uma enorme habilidade matemática ao pastorear ovelhas e calcular folhas de árvores. Ao encontrar o bagdali (natural de Bagdá) Hank Tade-Maiá, eles iniciam uma viagem a Bagdá.

Ao longo da jornada, Beremiz vai conhecendo pessoas e lugares e solucionado diversas situações por meio de suas habilidades matemáticas: a partilha de 35 camelos por 3 herdeiros, a divisão de 21 vasos com conteúdos diferentes por 3 sócios, dentre outras questões.

O protagonista encontra muitas pessoas importantes e a todos impressiona com sua inteligência e a forma prática e simples de resolver questões relacionadas à matemática. Chegando a Bagdá, Beremiz cai nas boas graças do Califa e também se torna professor de matemática da jovem Telassim, cujo rosto ele não pode ver. Mesmo assim se apaixonam.

Após vencer brilhantemente um desafio proposto por sete sábios, Beremiz diz ao califa que deseja casar-se com Telassim. Para isso, é submetido a um último desafio: decifrar a cor dos olhos de um grupo de escravas, apenas ouvindo as suas declarações, que poderiam ser verdadeiras ou não.

Vencido o desafio, Beremiz se casa com Telassim, que já era cristã, e converte-se também ao cristianismo. Faz questão, no entanto, de ser batizado por um bispo que conhecesse a teoria de Euclides. Beremiz e Telassim vão morar em Constantinopla e têm três filhos.

Curiosidades sobre Malba Tahan no Programa Jô Soares

Conclusão

Malba Tahan , brasileiro, versátil e genial, que escreveu aventuras matemáticas de maneira prodigiosa é a grande inspiração para transformar o dia 06 de maio , em uma data de comemoração.

Mobilizando escolas, universidades, secretarias de educação e cultura e de toda a sociedade, com a colaboração de entidades educacionais e científicas, para que a data seja de reflexão.

O Dia Nacional da Matemática é uma data para divulgar a Matemática como parte do patrimônio cultural da humanidade. Mostrando que a Matemática faz parte do conhecimento humano, tem história, possui imensas aplicações no mundo contemporâneo, além de sua relação com outras áreas do conhecimento.

A data comemorativa é uma oportunidade para desmitificar mitos de que a matemática é um “bicho-papão”, muito difícil e acessível apenas há alguns “privilegiados”. Nas palavras da Deputada Professora Raquel Teixeira (autora que instituiu o Dia Nacional da Matemática):

“Um dia para que nossos estudantes e professores cultivem o saber e a cultura, a matemática em particular”.

Ela lembra ainda, que a matemática é a ciência por excelência, pois que preside a todas as outras; além disso, é ferramenta essencial no desenvolvimento da lógica e da arte de pensar, para não falar da enorme influência na vida diária, nos campos aplicados, como as engenharias e a medicina, e até mesmo nas artes, de que são bons exemplos a música, o desenho, a pintura e a arquitetura.

Referência Bibliográfica

[1] – Brasil Escola
[2] – Vivendo entre Símbolos
[3] – Prof. Edigley Alexandre
[4] – Educação – Literatura – Globo
[5] – Prof. Cardy

Clique aqui e comente.
Anterior Anterior
Próximo Próximo